Potência do Ar Condicionado - Como Calcular?

Muitas pessoas perguntam como calcular a Carga Térmica para dimensionamento de ar condicionado para utilização em dormitório ou mesmo num pequeno escritório. Veja aqui algumas variáveis para o correto dimensionamento.

Norma Técnica ABNT NBR 16401

Desde agosto de 2008 foi publicada a atualização da Norma NBR 6401 para NBR 16401-1 / 16401-2 e 16401-3 Projetos de Instalações de Ar Condicionado. ABNT NBR 16401-1 Parte 1: Referente a Instalações de Ar Condicionado - Sistemas Centrais e Unitários. Leia mais.

Como Funciona o Ar Condicionado?

Um ar condicionado usa um material chamado de "fluido de trabalho" (Fluido Refrigerante) para transferir energia de dentro de um quarto para o exterior. O fluido de trabalho é um material que se transforma fácilmente de gás para líquido e vice-versa, sob um grande intervalo de pressão e temperatura.

Cursos em Sistemas de Ar Condicionado

Cursos e Treinamentos sobre Sistemas de Ar Condicionado, Curso Técnico Gratuito no SENAI, Curso em Ar Condicionado Automotivo e outras dicas você encontra aqui.

Split Inverter - O mais Silencioso

O modelo mais silencioso do mercado chega ao país. LG anuncia Ar Condicionado Split Libero Inverter no Brasil e amplia a área de negócios de Ar Condicionados da empresa destacando investimentos globais, além de empreendedorismo local com vendas recordes em 2010.

Seu Banner Aqui

domingo, 1 de novembro de 2009

Gás natural como fonte de energia p/ Ar Condicionado

Comerciantes aderem às vantagens do uso gás natural
Até pouco tempo atrás, o uso do gás natural em estebelecimentos comerciais se resumia a cocção. Hoje a opção pelo gás natural como fonte energética vem sendo cada vez mais utilizada por oferecer vantagens como segurança, comodidade, e economia .

A opção pelo gás natural como fonte energética em estabelecimentos comerciais vem ganhando força no mercado pelas várias possibilidades de uso e o alto rendimento energético em caldeiras, fornos, condicionadores de ar, fogões, geradores, aquecedores entre outros equipamentos.A economia no uso do gás natural em substituição à energia elétrica convencional alcança o percentual de 50% no setor comercial (com base na tarifa da Ceal de outubro2009) .

Além disso, a utilização deste energético pelos estabelecimentos comerciais permite soluções para usos simultâneos, como por exemplo, um sistema de ar-condicionado central a gás natural, que pode produzir frio para refrigerar o ambiente e ainda gerar água quente “de graça” como subproduto, utilizando o calor produzido na central do ar-condicionado (unidade externa).

Em Alagoas os segmentos industrial e comercial contabilizam cerca de 360 usuários de gás natural são hotéis, restaurantes, academias, padarias, bares, entre outros, que consomem gás natural para os mais diversos usos. Outro ponto destacado pelos comerciantes que optaram pelo uso do gás natural é o fornecimento contínuo e o fato de não precisar de um espaço para estocar o produto.

Fonte: Primeira Edição

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

São Paulo estabelece meta de redução de gases de efeito estufa

Política Estadual de Mudanças Climáticas foi aprovada pela Assembleia Legislativa
O Estado de São Paulo mostrou-se à frente do resto do país na questão de mudanças climáticas com a aprovação, por unanimidade, da Política Estadual de Mudanças Climáticas – PEMC pela Assembleia Legislativa. O principal avanço estabelecido pela PEMC é a meta de redução, em todos os setores, de 20% da emissão de gases de efeito estufa até 2020, tendo por base o ano de 2005. “São Paulo determinou uma meta ambiciosa, mostrando que não teme a agenda de mudanças climáticas. Essa será a oportunidade para o Estado construir uma nova economia verde”, afirmou o secretário do Meio Ambiente, Xico Graziano.

A medida pioneira abre um precedente entre os países em desenvolvimento como a China e a Índia. A aprovação da PEMC, elaborada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente – SMA, possibilita que São Paulo vá à Copenhague com posições mais fortes. A PEMC busca refletir os conceitos consolidados em tratados e convenções sobre o tema e pode se tornar uma iniciativa replicável a outras regiões ou esferas de governo.
Entre os principais pontos da PEMC está a criação do Conselho Estadual de Mudanças Climáticas, que terá caráter consultivo, e a permanência da atuação do Fórum Paulista de Mudanças Climáticas. Além disso, o Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição – FECOP, que já apoia projetos relacionados ao controle da poluição e preservação do meio ambiente, terá como atribuição financiar ações e planos específicos de adaptação aos efeitos das mudanças climáticas. Esses recursos serão destinados às regiões e setores da economia mais afetados por catástrofes naturais e aos municípios com maior vulnerabilidade.

Outro destaque da PEMC é a redução do prazo de elaboração da Comunicação Estadual, que conterá o inventário de emissões dos gases de efeito estufa de origem antrópica, ou seja, resultantes de atividades humanas. A idéia é usar esse instrumento de planejamento para promover a integração à questão climática em áreas como energia, transportes, agricultura e educação. “Todos os setores agora serão obrigados a agir imediatamente para a preparação dos inventários”, enfatizou o assessor técnico da SMA, Oswaldo Lucon.

Na área de transportes, a PEMC incentiva a criação de políticas públicas que priorizem o transporte sustentável. Dentre elas estão a construção de ciclovias, a criação de programas de carona solidária, a implantação da inspeção veicular e outras medidas que distribuam melhor o tráfego por rodovias.

Fonte: ambiente.sp.gov.br

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Selo de eficiência energética é contestado nos EUA


Produtos que levam certificação Energy Star não atendem a padrões de uso de energia.
O Departamento de Energia dos Estados Unidos concluiu, em uma auditoria interna, que não fiscaliza adequadamente se os fabricantes atendem as especificações exigidas para obterem o selo Energy Star, de eficiência em energia. Mesmo assim, as indústrias continuam usando o selo em seus produtos, segundo o inspetor geral do Departamento de Energia, Gregory H. Friedman.

O programa Energy Star, gerenciado em conjunto com a Agência de Proteção Ambiental americana (EPA, na sigla em inglês) foi beneficiado com o estímulo dado pelo governo de Barack Obama, que defende o selo como um mecanismo para reduzir o desperdício de energia e conter as emissões de gases causadores do efeito estufa. Dentro do programa de estímulo à economia, US$ 300 milhões serão destinados a abatimentos para que o consumidor americano compre produtos com o selo Energy Star.

Muitos consumidores escolhem equipamentos com o selo de eficiência energética pelos mesmos motivos que compram carros com baixo consumo de combustíveis: para economizar dinheiro e reduzir o impacto ambiental.

Equipes do Departamento de Energia e da EPA inspecionam diferentes categorias de produtos. Em dezembro, o inspetor geral da agência ambiental afirmou que as notas dadas aos produtos inspecionados, como computadores e aparelhos de TV, "não eram precisos ou verificáveis", por causa da fraca vigilância da agência. O Departamento de Energia prometeu submeter os produtos a avaliações mais detalhadas.

A recente auditoria mostra que o Departamento de Energia também falhou. Essas deficiências "podem reduzir a confiança do consumidor na integridade do selo Energy Star", de acordo com o inspetor geral. A auditoria será submetida ainda esta semana ao Secretário de Estado de Energia, Steven Chu.

Enquanto o Departamento de Energia exige dos fabricantes de LED e lâmpadas fluorescentes que tenham seus produtos avaliados por laboratórios independentes, o relatório aponta que as empresas fabricantes de refrigeradores, máquinas de lavar e aparelhos de ar-condicionado, que consomem mais energia, podem se auto certificar e obter o selo sem verificações externas.

Um fabricante de geladeiras chegou a avisar o Departamento de Energia que os modelos de um concorrente que ostentavam o selo Energy Star não atendiam aos critérios de eficiência energética, o que foi concluído pela auditoria. Em um acordo no ano passado, a empresa a LG, da Coreia do Sul, concordou em fazer um recall das geladeiras para trocar os circuitos internos de modo a reduzir o consumo de energia e compensar os clientes pelos gastos a mais com energia.

O relatório também aponta que, embora o governo tenha se comprometido, em 2007, a avaliar os produtos antes de conceder o selo, isso ainda não está valendo para produtos de construção, como, por exemplo, os aquecedores de água.

Fonte: Estadão

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

LG leva tecnologia à Interior Decor

Aparelhos de ar condicionado aliam tecnologia à responsabilidade ambiental, além de boa qualidade de refrigeração

Um sistema de climatização de ar que une design, economia, tecnologia e responsabilidade ambiental. Esse é o Multi V, linha de aparelhos de ar condicionado da LG, responsável pela climatização de alguns ambientes desenvolvidos para a Mostra Interior Decor. Esse equipamento inteligente é a aposta da empresa, que é representada pela Poloar Bauru, para a cidade e região.

De acordo com Ednei Ursini Baroni, gerente de contas em ar condicionado da LG, um dos pontos positivos da linha Multi V - que pode ser utilizada para escritórios, residências e grandes ambientes - é a tecnologia. Ela possibilita ajustar cada equipamento à necessidade dos clientes, permitindo um consumo racional de energia. “A regulagem dele é muito precisa, atendendo exatamente o que a pessoa quer, poupando eletricidade”, destaca.

Alguns aparelhos podem ser acionados até de fora do imóvel. “É fácil de ser instalado e já vem com automação. Ele pode ser controlado à distância, até por telefone celular”, ressalta Baroni. Muito utilizada em escritórios, a linha Multi V também é ideal para residências. O gerente observa que os equipamentos são discretos e os modelos são desenvolvidos para ter design agradável. “A unidade externa é muito compacta. Além disso, o nível de ruído é muito baixo, tanto na parte interna quanto na externa”, observa.

Além disso, ele ressalta que os aparelhos são projetados para aliar eficiência com beleza. “Algumas vezes, os arquitetos realizam um design para a residência e depois sentem dificuldades para integrar o equipamento. Mas temos algumas unidades que aliam o design e economia”, pondera

Para Baroni, a participação da Poloar e LG na Interior Decor foi bastante positiva. “Os ambientes estão muito bonitos e é isso que pretendemos agregar. Buscamos resultados na região e o Interior é muito receptivo às novas tecnologias”, destaca. A participação no evento já traz resultados à empresa, que foi contatada por alguns empreendimentos de Bauru e região. “É perceptível que existe bastante campo. Estamos analisando alguns projetos, principalmente de escritórios”, adianta o gerente.

Em entrevista ao Jornal da Cidade, o gerente deu mais detalhes sobre a linha:

Jornal da Cidade - Quais as novidades da empresa para o setor de climatização de ambientes?
Ednei Ursini Baroni - Sou responsável pelo Interior de São Paulo da LG e acho que é importante trazer para o Interior a tecnologia Multi V. É um produto da LG que está no mercado há algum tempo focado em grandes obras na Capital, Brasília. Esta semana, estamos instalando esse produto no Palácio do Planalto. É um produto diferenciado, pois é um ar condicionado inteligente. É o que existe de mais moderno em ar condicionado no mundo.

JC - A Mostra Interior Decor busca harmonizar bom gosto com sustentabilidade ambiental. O produto segue essa linha?
Baroni - Ele é um produto extremamente ecológico, porque usa gás que não agride a camada de ozônio. Reduz espaço de instalação e o consumo elétrico. Ele, em relação aos produtos tradicionais, consome 40% menos. Se você fizer uma aplicação inteligente, e isso é possível, porque ele vem com todo esse equipamento eletrônico incorporado, pode até aumentar esse número. Ele gasta pouca energia e assim, consumindo menos, vai gastar exatamente o que você consumir.

JC - É um aparelho econômico?
Baroni - Geralmente, para quem usa bastante, o consumo de ar condicionado costuma ser alto. Mas esse tipo de produto é inteligente e vai se adequar ao seu estilo de uso. É importante trazê-lo para o Interior do Estado, porque aqui existe uma demanda. Hoje, a procura ainda está muito restrita à Capital e região de Campinas, mas eu acredito e ponho foco no Interior.

JC - E a parceria com a Poloar?
Baroni - Estamos contentes e com essa oferta do Multi V já temos vários projetos em andamento. Para Bauru e região será muito interessante.

Fonte: JCNet

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Conheça o primeiro ventilador sem hélice


Empresa britânica cria ventilador sem hélice.
Em formato de aro, o aparelho usa a tecnologia de motores a jato para gerar fluxo de ar.

A empresa britânica Dyson criou um ventilador que dispensa o uso das tradicionais pás para gerar vento e ainda são capazes de fazer com que o fluxo de ar cresça em até 15 vezes quando comparado com um ventilador normal.

Batizado de Air Multiplier, o aparelho é em formato de aro e utiliza um mecanismo semelhante a de motores a jato. O fluxo de ar passa por um anel modelado a partir de uma asa de avião, responsável por impulsionar e multiplicar a sua força, fazendo com que até 450 litros de ar por segundo.

De acordo com o inventor, James Dyson, a pressão puxa o ar de trás e da frente do ventilador fazendo com que se forme uma corrente de ar, que pode ser regulada pelo usuário com um dimmer. Em entrevista ao jornal The New York Times, o inventor Dyson explicou que o novo ventilador é mais limpo e menos poluidor que o ar condicionado, que usa mais energia e gases fluorcarbonetos, prejudiciais ao meio ambiente.

Dyson afirma ainda que uma das vantagens do aparelho é eliminar a preocupação dos pais com possibilidade de as crianças machucarem os dedos nas pás do ventilador. Além disso, não há a necessidade de limpeza das hélices. Basta passar um papel ou um pano em volta do anel para remover a sujeira acumulada.

O desenvolvimento da engenhoca durou quatro anos de estudos, com a realização de centenas de simulações para avaliar e otimizar o anel.


O Air Multiplier possui dois tamanhos: 10 e 12 polegadas. Os modelos possuem um botão que controla o fluxo de ar e podem ser programados para girar. O ventilador pode ainda ser inclinado, bastando apenas empurrar o anel para frente ou para trás. O modelo menor custa 299 dólares, enquanto o maior custa 329 dólares, cerca de dez vezes mais do que os aparelhos comuns.

Confira o vídeo de como funciona o Air Multiplier

Fonte: Epoca Negocios

Brasil pesquisa o uso do gás nocivo HCFC

Brasil pesquisa o uso do gás nocivo HCFC
Fabricantes de geladeiras, ar-condicionados e espumas podem ter verba para deixar de usar substância prejudicial à camada de ozônio
Publicado em PNUD

Benefício a empresas
Empresas de setores que utilizem HCFCs podem buscar recursos para substituir os gases por substâncias alternativas. A princípio, os interessados devem responder a um questionário no site Protocolo de Montreal Brasil.

O governo brasileiro e o PNUD fazem um levantamento das indústrias que usam HCFCs, gases nocivos à camada de ozônio utilizados em geladeiras, aparelhos de ar condicionado, extintores e na fabricação de espumas. O Programa Brasileiro de Eliminação de HCFCs. A iniciativa, lançada em maio desse ano, visa ajudar o Brasil a cumprir o Protocolo de Montreal, acordo pelo qual países da ONU se comprometem a acabar com a emissão desses e de outros gases prejudiciais. De acordo com o Protocolo, é preciso frear o crescimento o consumo de HCFC até 2013 e em 2015 o volume usado deve ser 10% menor que o de 2009.

O programa ainda deve definir a sequência dos próximos passos, mas em 2010 é possível que empresas selecionadas desse levantamento recebam verba de um fundo internacional para substituir os HCFCs por substâncias alternativas. Um questionário que será aplicado às empresas vai permitir conhecer melhor os interessados.

Para divulgar a iniciativa, o Ministério do Meio Ambiente, coordenador da ação, e o PNUD estão participando de feiras e programando reuniões com empresários da área. O evento mais recente foi a 16ª FEBRAVA, Feira Internacional de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação, Aquecimento e Tratamento do Ar. A feira aconteceu em São Paulo, em setembro, e permitiu a divulgação do programa. "Neste primeiro momento, o mais importante é espalhar essa informação", diz Tatiana Zanete, do Ministério do Meio Ambiente. "A maioria já conhece o problema da destruição da camada de ozônio, mas não sabe da possibilidade de receber recursos para substituir os HCFCs". "Daqui para frente, pretendemos estar presentes em todos os eventos que forem possíveis", explica Marina Ribeiro, gerente da Unidade de Implementação e Monitoramento do PNUD.

A ajuda do Fundo Multilateral do Protocolo de Montreal poderá ser destinada a compra de novos equipamentos e treinamento de profissionais. Os critérios de seleção das empresas ainda não foram definidos, mas as informações nos questionários serão importantes para a conclusão do projeto.

Além da participação em eventos, Marina diz que o programa está buscando o apoio de associações de empresários e enviando cartas para representantes. "Precisamos saber como estão as empresas, como o país está se comprometendo no setor privado, então estamos promovendo esse contato", afirma Marina. Já no dia 22 estão previstas reuniões com representantes dos setores de refrigeração e espumas.

Etapas
O governo brasileiro também participa junto com o PNUD de um evento para reduzir o uso de CFC em medicamentos. Os CFCs são gases ainda mais prejudiciais à camada de ozônio e que já foram praticamente eliminados no país, mas cujo uso ainda é permitido nas chamadas "bombinhas" para tratamento da asma. Por isso, um estande do Ministério e do PNUD foi montado no congresso da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, ocorrido de 9 a 12 de outubro em Florianópolis. O objetivo era conscientizar médicos e pacientes e incentivar o uso de medicamentos alternativos. A produção e importação das bombinhas com CFC será proibida no Brasil a partir de 2011.

A ação é parte do encerramento do Plano Nacional para Eliminação de CFCs, que deve ser concluído em dezembro de 2010.
O Protocolo de Montreal foi assinado em 1986 e teve a adesão do Brasil em 1990. O objetivo central era a eliminação dos CFCs até 2010. A partir de 2007, o texto passou a contemplar também o combate aos HCFCs, dando início a uma nova etapa dos programas brasileiros. A meta é acabar com os novos gases até 2040.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Centro de Solidariedade de SP seleciona para 2.323 vagas temporárias

Os dois postos do Centro de Solidariedade ao Trabalhador de São Paulo selecionarão para 2.323 vagas temporárias a partir desta segunda-feira (26/10).
Entre as vagas estão 165 para ajudante de carga e descarga, 24 para ajudante de cozinha, 118 para auxiliar de cozinha, 24 para auxiliar de linha de produção e 49 para costureira.

Os salários variam de R$ 465 para promotor de vendas a R$ 1.500 para técnico mecânico em ar-condicionado.
Entre os dias 26 e 30 (de segunda a sexta-feira), serão selecionados, no Posto da Liberdade, 700 trabalhadores temporários para atuar em lojas de departamentos, redes atacadistas e uma empresa de alimentos.

São 100 vagas para demonstrador de mercadorias, 100 para auxiliar de armazenamento, 100 para fiscal de loja, 100 para auxiliar de estoque, 100 para repositor de mercadorias, 100 para operador de caixa e 100 para balconista de loja.
Os interessados devem ter ensino médio completo, exceto para as vagas de auxiliar de armazenamento, que exige ensino fundamental completo.

Não é necessário ter experiência comprovada, no entanto, os candidatos devem ter conhecimentos sobre a função que será exercida. Serão aceitas cartas de referência.
A remuneração é de R$ 500, mais benefícios. O atendimento é feito mediante a senha.
Os interessados devem comparecer aos endereços abaixo com carteira profissional, RG, certificado de escolaridade e currículo.

Zona Central
Rua Galvão Bueno, 782 - Liberdade
Zona Sul
Rua Barão do Rio Branco, 864 - Santo Amaro

Fonte: g1.globo.com

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Ar condicionado eficiente

Localizado no Porto de Navegantes, em Santa Catarina, o armazém de congelados Iceport reduziu custos de energia em R$ 310 mil/ano com o uso de 45 mil litros diários de água de degelo da câmara fria diretamente na central de ar condicionado do prédio administrativo da empresa.

O sistema foi desenvolvido pelo especialista em engenharia de climatização, Axel Woltmann e utiliza também água de chuva que é coletada, tratada e armazenada em reservatórios com capacidade para 220 mil litros. Esse reaproveitamento evita uma despesa da ordem de R$ 173 mil anuais com aquisição de água da rede pública.

A economia total proporcionada é suficiente para pagar quase toda a instalação, orçada em cerca de R$ 468 mil, em menos de um ano. Numa situação de redução da quantidade água de degelo, por conta de eventual redução de atividades no armazém, passa a atuar um equipamento que aproveita o frio residual da amônia originado pelos evaporadores das câmaras frias.

O Iceport ocupa área de 50 mil m² em Navegantes e tem capacidade para 16 mil posições de pallets.

Fonte: Energia Hoje

sábado, 12 de setembro de 2009

E-Control Air Economiza energia do ar condicionado


De acordo com estudo da PROCEL os aparelhos que mais consomem energia elétrica no setor residencial são condicionador de ar, chuveiro elétrico, ferro elétrico, freezer e geladeira, no setor comercial os principais são os condicionadores de ar. Com base nesses dados Ecoenergia desenvolveu o projeto e-control, formado por uma linha de equipamentos eletrônicos para otimização do consumo de energia elétrica. Neste intuito desenvolvemos o primeiro item da linha, o e-control air, um gerenciador eletrônico para condicionadores de ar, certificado pelo LEE – Laboratório de Eficiência Energética da UPE-POLI – Universidade de Pernambuco – Escola Politécnica de Pernambuco.

O e-control air regula a temperatura de um dado ambiente de acordo com a norma NBR 16401-2, que trata do conforto térmico humano. O resultado desta regulação é a economia percentual de até 30% em relação ao mesmo aparelho ligado sem a intervenção do e-control air.

O e-control Air é um equipamento voltado para economia de energia de condicionadores de ar que atua controlando a partida do compressor, de forma inteligente, e gerenciando o tempo em que este permanece ligado ou desligado, de forma a manter o conforto térmico do ambiente através da aplicação de algoritmos baseados em inteligência artificial para tomada de decisões.

O equipamento possui sistema inteligente baseado em lógica Fuzzy que, juntamente com o uso de redes neurais e algoritmos genéticos, formam um paradigma relativamente novo conhecido como sistemas inteligentes. Os sistemas inteligentes foram criados para uma variedade de problemas que não são adequadamente resolvidos pelas técnicas tradicionais. A lógica Fuzzy busca incorporar os processos mentais típicos do ser humano em sistemas de controle, o que permite ao controlador fuzzy a capacidade de lidar com sistemas dinâmicos complexos sem que o respectivo modelo matemático seja conhecido de forma explícita.

O e-control Air é voltado principalmente para os setores residências e comerciais onde o consumo de energia relativo aos condicionadores de ar pode chegar a 60% do total.

Fonte: Eco Energia

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Ar-condicionado não aumenta risco de propagação do vírus H1N1

O Ministério da Saúde informou hoje (30/08) que aparelhos de ar condicionado não representam risco para a transmissão da influenza A (H1N1) gripe suína uma vez que o vírus não fica suspenso no ar. A transmissão ocorre apenas por meio de gotículas expelidas pela tosse ou por espirros, por exemplo.

A pasta alerta, entretanto, que no ar-condicionado há tubulações e filtros que precisam ser limpos regularmente para prevenir doenças, sobretudo, respiratórias e que, por causa do vírus Influenza H1N1, algumas pessoas têm evitado ir a locais como shopping centers.

"Ninguém precisa deixar de sair de casa por medo do novo vírus, mas quem está com sintomas de gripe, como tosse, dor de garganta e febre alta, deve evitar locais fechados com aglomeração de pessoas", afirma a nota.

O ministério garante que "boa parte" dos centros comerciais apresenta um "controle rígido" na higiene dos aparelhos de climatização. A limpeza do ar-condicionado deve ser feita a cada seis meses. "A manutenção preventiva é fundamental para garantir a qualidade do ar no ambiente."

Para evitar a contaminação pela gripe, o ministério orienta que as pessoas lavem bem as mãos e cubram a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, além de evitar o compartilhamento de copos e talheres.

Fonte: Agência Brasil / Terra

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Eficiência Energética

Como parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem, o Inmetro e a Eletrobrás acabam de lançar a Etiqueta de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicos. Trata-se de um sistema semelhante ao que avalia aparelhos domésticos, como chuveiros elétricos e geladeiras.

O objetivo da etiqueta é incentivar projetos que levem em conta características de construções sustentáveis, aproveitando, por exemplo, iluminação e ventilação naturais. Isso reduz a necessidade do uso de iluminação artificial e de sistemas de ar condicionado.

A etiqueta avalia três aspectos dos edifícios: envoltório (a fachada e o entorno), sistema de iluminação e condicionamento de ar. Cada aspecto recebe uma classificação entre A (o melhor nível de eficiência) e E (o pior nível). Os prédios que receberem classificação A nos três sistemas ganharão o selo Procel Edifica.

Calcula-se que, em novos projetos, adequar um prédio aos melhores padrões de eficiência energética torne o custo da construção 5% mais alto. Entretanto, no longo prazo, um edifício com características de construção sustentável traz ganhos não só para o meio ambiente, mas também para o bolso de quem mora ou trabalha nele.

Fonte: Abril.com

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Prédio alemão respira para economizar energia

É arquitetura do século 21. O prédio tem persianas inteligentes que abrem e fecham de acordo com a incidência de luz e de calor.

A catedral com a maior torre do mundo já não é mais a única atração diferente de Ülm - cidade que fica no coração da Alemanha.

Telhados transformados em jardins para manter a temperatura das casas estável no inverno e no verão, e árvores artificiais, com painéis solares, que em vez de folhas e frutos, dão energia agora também dominam a paisagem e fazem Ülm ser considerada uma das cidades mais ecológicas do planeta. Até o lendário Rio Danúbio cruza Ülm sem receber nenhum tipo de dejeto.

Mas a maior estrela ecotecnológica da cidade é um prédio de escritórios. Ele ocupa uma área do tamanho de quatro campos de futebol e é conhecido por ser o primeiro do mundo a respirar. O nariz é um conjunto de três tubos que brotam do chão. São captadores de ar.

No porão, antes de ser distribuído para todo prédio, o ar vindo da rua passa por dois condicionadores de temperatura computadorizados. O primeiro resfria. Funciona com a água que circula numa serpentina gigante instalada embaixo do prédio, a 100 metros de profundidade, onde a temperatura da terra está sempre ao redor de 10ºC.

O segundo condicionador de ar funciona com água aquecida pelos computadores e as outras máquinas que controlam todos os sistemas do prédio. O calor, captado por essas cápsulas especiais que envolvem os aparelhos, é transferido para uma espécie de caldeira que mantém a água acima de 30ºC.

Se o prédio respira, então podemos dizer que o pulmão dele é um grande espaço aberto, como um saguão, bem no meio do edifício. Uma área de lazer que também serve de acesso a todos os andares. O ar, aquecido no inverno ou resfriado no verão, chega por meio de gigantescos tubos. Esse mesmo ar, é distribuído para todos os ambientes. É como se os escritórios fossem órgãos de um corpo, que precisa de oxigênio para se manter vivo.

Os tubos que trazem o ar do nariz do prédio até o pulmão vão do chão até o topo. Todas as salas têm janelas para o saguão. Também têm entradas de ar no teto. É assim que o ar condicionado circula. Mas o prédio tem ainda janelas para o lado externo. Os inquilinos as chamam de olhos, porque as persianas inteligentes funcionam como pálpebras: abrem e fecham de acordo com a incidência de luz e de calor.

Uma moça que trabalha no prédio diz que jamais viu algo tão humano". Parece até que o prédio tem vida, mesmo. O resultado é uma temperatura interna sempre ao redor de 22ºC.

O metro quadrado de área deste prédio custou quase o dobro de uma construção comum. Mas, segundo os responsáveis pelo projeto, o investimento a mais se paga só com a economia de energia.

"Por aproveitar ao máximo recursos naturais, esse prédio consome menos de 10% da energia gasta por um edifício convencional do mesmo tamanho", afirma o engenheiro Günter Lindermann.

Soluções inteligentes, criatividade. Faz bem aqui dentro e também lá fora, na natureza.

Fonte: Globo.com

sábado, 22 de agosto de 2009

RecNov da Record com LEED

RecNov, o Complexo de Gravação de Novelas da Rede Record, no Rio de Janeiro. O espaço, que existe desde 2005, agora passa por um processo de retrofit e expansão.

Localizada no bairro de Vargem Grande, a RecNov, que consistia em sete estúdios, dois galpões e uma pequena área administrativa, passará a abrigar mais seis estúdios, Edifício Administrativo, Edifício de Pós Produção, Centro de Convivência, Edifício de Operações, Galpões de Apoio e Edifício Fábrica e Acervo. Toda a área já existente será submetida a um processo de retrofit.

Para a construção do novo espaço foram utilizadas estruturas metálicas visando a otimização do tempo de obra, redução de resíduos, baixa interferência nas atividades que estão em andamento, racionalização das instalações e baixo custo. Nos sistemas de instalações foi aplicada tecnologia de ponta com dispositivos para dupla abordagem, que não permite que o edifício fique sem energia, dados e ar condicionado.

A RecNov foi projetada de acordo com os padrões do LEED - Leadership in Energy and Environmental Design, uma certificação para edifícios sustentáveis que seguem os critérios de racionalização de recursos (energia, água etc.). No Complexo foram implantados equipamentos de alta performance e rendimento, autonomia de energia, uso de energia renovável, estação de tratamento de efluentes, irrigação automatizada e reuso de água.

Pensando no bem-estar, os ambientes de trabalho foram elaborados para garantir conforto e qualidade interna aos usuários. Os espaços, integrados com a natureza, apresentam sombreamento através de elementos de fachada, coberturas com telhados verdes, controle e individualização do sistema de iluminação, plano de gerenciamento da qualidade interna do ar e contato visual com a paisagem e ambiente externo.

Fonte: Portal Fator Brasil

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Imóveis de luxo com tecnologia de ponta

O avanço da automação e a evolução da consciência em relação ao meio ambiente revolucionaram o mundo das construções de alto luxo, que deixaram de ser comprometidas apenas com beleza e sofisticação. Imóveis completamente monitorados por celular, portas abertas com impressão digital, porteiro eletrônico inteligente, sistema de sensores nas pilastras da garagem, tudo isso associado ao conforto e à interação com a natureza. Parece até filme de ficção.

Esta tendência mundial trouxe para o mercado de construções uma nova concepção de luxo, que veio acompanhada pela exigência de originalidade e da exclusividade. A Laer, empresa de construção e reforma de imóveis de luxo que está completando 20 anos em 2009, acredita que o atendimento personalizado é o principal segredo para conquistar os compradores que procuram o melhor que pode ser oferecido no comércio imobiliário.

Segundo o presidente da construtora, Marcelo Evaristo, cada vez mais seus clientes pedem por projetos altamente tecnológicos, inseridos na natureza e com o máximo de consciência ecológica.

– Há diversas formas de aproveitar o meio ambiente para promover o bem estar e ainda contribuir com a preservação da natureza. Um exemplo disso é o armazenamento das águas das chuvas para aproveitá-las nas descargas da casa e na irrigação dos jardins, que além de dispensar a presença do caseiro, ainda garante que as plantas recebam exatamente a quantidade de água necessária – disse Evaristo, que destacou ainda considerar um desperdício não usufruir da energia do sol para diversas finalidades dentro da casa.

Com pés direitos altos, a iluminação pode ser natural durante grande parte do dia. Placas retentoras de energia instaladas nos telhados passam o dia absorvendo os raios do sol para que sejam convertidos em luz durante a noite. O ar condicionado central, que anteriormente era acionado para resfriar a casa toda, agora conta com um mecanismo inteligente que detecta exatamente o cômodo que não está com a temperatura adequada e direciona a refrigeração exatamente para aquele ponto.

Com este mesmo foco, a Ximenes Consultoria Imobiliária e a Incorporadora PR Figueiredo vão lançar na Barra o Condomínio Disegno. O empreendimento, à beira da Área de Preservação Ambiental de Marapendi, traz para o mercado imobiliário o conceito de Casas Boutique.

Com estilo contemporâneo, projeto das casas tem pé direito duplo nas salas, muita madeira e grandes panos de vidro nas fachadas. As unidades terão de 555 a 818 metros quadrados, com quatro salas, quatro ou cinco suítes e espaços como home-cinema, escritório e biblioteca, e custam de R$ 2,5 milhões a R$ 4,5 milhões.

A casa inclui aspiração central, fechadura biométrica, banheira inteligente e um sistema que dispara um alarme quando há alguma anormalidade na imagem das câmeras de circuito interno.

– É como oferecer aos nossos clientes a casa dos Jacksons, no terreno dos Flinstones – brinca Paulo César Ximenes, presidente da Ximenes Consultoria Imobiliária.

O executivo ressalta que a tendência atual é valorizar a elegância, o conforto e o bom senso com o meio ambiente.

– O Disegno está um degrau acima do luxo. É a contemplação da natureza, simples, sofisticada, mas sem ostentação – completou.

Fonte: JB Online

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Abrava realiza palestra em parceria com projeto Brasil Itália

Abrava realiza palestra em parceria com projeto Brasil Itália “Diálogo Sustentável”

No próximo dia 21 de agosto, a Abrava em parceria com o projeto Brasil Itália realizará a palestra “Diálogo Sustentável”. No evento, o design italiano Marco Capellini falará sobre o “Design Italiano para Sustentabilidade”, com foco no setor HVAC-R. O objetivo é apresentar para o Brasil a aplicação, preocupação e os cuidados que os italianos têm quando se fala em Sustentabilidade.

Entre os tópicos, serão abordados vários aspectos ligados ao setor HVAC-R:

Projeto ambientalmente sustentável dos produtos – redesign e retrofit
Cenário de referência para novos produtos sustentáveis – mercado europeu
Comunicação da sustentabilidade ambiental
A eficiência energética no âmbito doméstico e urbano
O ciclo de vida de um produto
Utilização de materiais ambientalmente sustentáveis
Recuperação, coleta e reciclagem de aparelhos
Campanha educativa ambiental

O evento
Será aberto com um café da manhã, seguido de palestra e, após a apresentação será dado inicio a um debate com os participantes. Evento com tradução simultânea.

As vagas são limitadas, as inscrições são gratuitas e devem ser feitas com Solange Mota através do email solange.mota@abrava.com.br

Evento: Palestra Brasil Itália “Um diálogo Sustentável”
Horário: Café da manhã às 8h30
Inicio às 9h00
Local: Sede da Abrava – Av Rio Branco, 1492 – Campos Elíseos

Evento - FAAP - Os desafios do Aquecimento Global

A FAAP, convida para a Palestra de:

Fábio Feldmann
Consultor, ambientalista e Secretário Executivo do Fórum Paulista de Mudanças Climáticas Globais e Biodiversidade

Tema: Os desafios do Aquecimento Global

Data: 24 de agosto de 2009
Horário: 19 horas
Local: FAAP, Rua Alagoas 903, Auditório 2, Prédio 3 Higienópolis -SP
Inscriçao: pos.palestras@faap.br
Informacoes: 11 3662-7449

Estudante:prêmio para práticas de sustentabilidade

Estão abertas as inscrições para o 2º Prêmio Varejo Sustentável Wal-Mart Brasil. A premiação é direcionada a estudantes de nível técnico e universitário, de qualquer área de formação, com interesse em buscar novas práticas para o desenvolvimento sustentável. A discussão proposta gira em torno de como satisfazer as necessidades do consumidor sem comprometer os recursos para as gerações futuras.

O prêmio tem como objetivo fomentar e provocar a discussão de sustentabilidade no meio acadêmico de todas as áreas.

O prêmio - que conta com o apoio da WWF e do Instituto Envolverde - aceita inscrições de alunos de cursos de graduação, seqüenciais ou superior em tecnologia de todo o Brasil.

Projetos diversos podem concorrer à premiação, desde que atinjam qualquer etapa da cadeia produtiva do varejo, garantam menor impacto ao meio ambiente e possam ser aplicados pelo segmento varejista supermercadista.

Os trabalhos devem ser inéditos – ainda não aplicados no setor – e considerar os três pilares da sustentabilidade – benefícios ambientais, sociais e econômicos. Ou seja, precisam estar voltados para valores socioambientais, sem perder de vista o desempenho econômico.

Além disso, pelo menos uma das seguintes áreas deve ser contemplada: 1) ecoeficiência; redução e reciclagem de resíduos; 2) produtos e embalagens sustentáveis; 3) processos e métodos de avaliação, medição, minimização e mitigação dos impactos ambientais dos produtos comercializados pelo setor; 4) ações sociais no negócio.

Premiação e inscrição – O autor do melhor projeto do Prêmio Varejo Sustentável deste ano irá à matriz do Wal-Mart nos Estados Unidos, e à sede brasileira da empresa, em São Paulo, para visita técnica aos seus respectivos departamentos de sustentabilidade. Já o segundo e terceiro colocados ganham um notebook, participam da mesma visita em São Paulo e ganham prêmio adicional de R$ 12 mil para implementação do projeto. Os professores-orientadores dos três projetos premiados serão contemplados com 01 palm top Motorola.

As inscrições podem ser feitas até o dia 09 de outubro pelo site www.premiovarejosustentavel.com.br. Lá também é possível consultar o regulamento.

Fonte: ClicRBS

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Ar-condicionado: Veja os macetes para cuidar do sistema do seu carro

O sistema de ar-condicionado, assim como qualquer outro componente veicular, necessita passar por manutenções preventivas periódicas para garantir, assim, a eficiência do seu funcionamento.

O principal serviço a ser executado é a limpeza do sistema. O proprietário da Arcon, Ernesto Miyazaki, oficina especializada em ar-condicionado automotivo, localizada no Jardim Peri-Peri, em São Paulo, explica que a higenização é muito mais do que “nebulizar” e “odorizar” o sistema. “É preciso começar pela limpeza “mecânica” do evaporador e seu alojamento”, afirma.

Um sintoma muito comum da necessidade de limpeza da caixa de ventilação é a sensação de perda de potência do ar-condicionado. “O cliente chega reclamando que sai pouco vento frio dos dutos e quando abrimos o alojamento, o evaporador está totalmente obstruído”, diz Miyazaki. “Por isso, somente a higienização sem a lavagem mecânica não garante um serviço 100% eficiente”, completa.

O passo seguinte da retirada e limpeza mecânica do evaporador é substituição do filtro de cabine. Alguns veículos saem de fábrica sem este filtro, porém, na maioria dos casos é possível encontrar o componente no mercado de reposição, para substituir e/ou adaptar a instalação. Segundo o proprietário da Ishi Ar-Condicionado Automotivo, Mário Ishiguro, os modelos Chevrolet S10/Blazer, Ford Ranger e Fiat Uno não possuem espaço para fazer esta adaptação.

Em seguida, Ernesto Miyazaki, da Arcon, recomenda a aspiração do carro, após higenização dos dutos e difusores, “para reforçar a sensação de limpeza”.

Na sequência, Miyazaki realiza a ozonização do veículo, para desinfetar o ambiente, agindo como bactericida, fungicida, acaricida e retirando odores do veículo. A técnica é simples. Basta ligar o aparelho ozonizador e fazer o ar-condicionado trabalhar durante 30 minutos. “O aparelho enche o ambiente de ozônio (O3), que tem função bactericida e melhora a qualidade do ar no interior do veículo”, diz. “Por isso é importante alertar o cliente para remover todo tipo de alimento ou substância que possui cheiro ou gosto, pois após a aplicação do ozonizador, qualquer sabor ficará diferente.”

Na revisão oferecida pela Arcon, antes de efetuar a higienização simples (sem a lavagem mecânica do evaporador), o técnico mede a pressão do gás no sistema, para verificar se está funcionando de acordo com os parâmetros normais. Na realização prática deste procedimento foi detectado um problema com o primeiro estágio da ventilação externa (ventoinha do radiador) do sistema de arrefecimento, que não acionava corretamente. O defeito estava no conector da resistência da ventilação externa, que apresentava um dos contatos carbonizados, derretido, “geralmente por mau contato e/ou oxidação”.

Após a verificação da pressão (30 psi na linha de baixa, e 193 psi na linha de alta), chegou a hora de aplicar o produto germicida. Para esta tarefa, a Arcon escolheu o Clim Pur’, fornecido pela Valeo, que apresenta ação anti-bactericida e evita o desenvolvimento de micro-organismos no sistema.

“O Clim Pur’ completa a manutenção. A aplicação isolada não é tão eficaz quanto a realização do procedimento completo”, afirma Miyazaki. Uma dica importante é reservar um pouco do produto e passá-lo nas duas faces do filtro antipólen antes de instalá-lo no veículo.

Segundo a Valeo, o Clim Pur’ é um produto a base de água e, por isso, não deixa cheiro após a aplicação, apenas um aroma cítrico bem leve. “Por isso o escolhemos”, afirma Miyazaki.

Após essa aplicação, o procedimento de manutenção é finalizado com a instalação de um filtro antipólen novo e a montagem do sistema. Neste momento, o reparador deve prestar atenção ao posicionamento de instalação do filtro. “As setas indicam o sentido do fluxo de ar”, diz Miyazaki.

Dicas

“Em hipótese alguma o reparador deve passar ar comprimido no filtro para limpá-lo. Esta ação abre os poros do filtro que perde assim a eficiência. Em outras palavras, inutiliza o filtro. Reinstalar um filtro assim é o mesmo que não colocar nada.”

“O reparador deve prestar atenção ao posicionamento de instalação do filtro. No corpo do filtro existem setas que indicam o sentido do fluxo de ar e cuidados para não amassar, dobrar, pois o mau posicionamento cria arestas e perde a ação de filtragem.”

“Filtros mais avançados possuem carvão ativado, que têm a função de evitar mau cheiro e aumentar a vida útil dos componentes internos, evitar o CO2 (dióxido de carbono) e CO (monóxido de carbono), dentre outras vantagens, apresentam cor mais escura, dando a impressão de saturado, por sujeira.”

Fonte: Web Motors

MAUÁ debate sustentabilidade ambiental - Evento

O Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia irá debater sustentabilidade ambiental, tema amplamente debatido em todo o mundo, a Instituição promoverá, no dia 22 de agosto, duas palestras abertas ao público. Como o título “Sustentabilidade: Atitudes e Tecnologia”, o encontro ocorrerá das 11h às 13h, no campus da Mauá em São Caetano do Sul, e contará com palestras do pró-reitor acadêmico, professor Roberto Peixoto, que abordará as ações da instituição com relação ao Inventário Estadual de Gases de Efeito Estufa do Estado de São Paulo e com o professor de pós-graduação da Mauá, Vitor Seravalli, que focará sua fala nas medidas que as empresas vêm adotando em relação a sustentabilidade. O evento é aberto ao público, as inscrições estão abertas e os interessados poderão contribuir com 2 quilos de alimentos não perecíveis, que serão destinados para o Instituto Homem & Natureza.

O professor Vitor Seravalli, que também preside o Comitê Brasileiro do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU), apresentará o tema “Sustentabilidade, a Competência do Futuro”, no qual falará sobre a necessidade, os desafios e as oportunidades em se incorporar a sustentabilidade como competência organizacional e individual. De acordo com o professor, as empresas que encararem esses desafios, incorporando valores e atitudes sustentáveis em suas atividades, terão seu comportamento positivamente percebido pela sociedade.

Com a palestra “Mudanças Climáticas, Inventário de Gases de Efeito Estufa”, o professor Roberto Peixoto, pró-reitor acadêmico da Mauá e Consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e do Meio Ambiente (PNUMA), discorrerá sobre o fenômeno do aquecimento global e o impacto causado pelas mudanças climáticas, além de apresentar algumas das ações que estão desenvolvidas pela instituição de convênio para a realização do Inventário Estadual de Gases de Efeito Estufa do Estado de São Paulo. Assinado recentemente, o convênio - coordenado pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambienta (CETESB), prevê uma estimativa da emissão de gases de efeito estufa em todo o Estado de São Paulo. “A Mauá irá realizar um levantamento de emissões de CO2, nos setores de transporte rodoviário e aeroviário e também das emissões de gases halogenados (CFCs, HCFCs e HFCs) nos vários setores de sua utilização, dentre eles os de refrigeração e ar condicionado, espumas e solventes”, explica Peixoto.

O tema – Em sintonia com as necessidades da sociedade, a Mauá tem grande interesse em contribuir para promover as práticas de sustentabilidade ambiental. Por isso, a importância de eventos como esse que a Mauá está promovendo porque faz com que os participantes “reflitam sobre os caminhos práticos para promover a sustentabilidade, assim como os leva a se conscientizarem das barreiras e das oportunidades que o assunto oferece”.

Serviço: Palestra Sustentabilidade: Atitudes e Tecnologia
Local: Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia - São Caetano do Sul
Dia: 22 de agosto (sábado)
Horário: das 11h às 13h
Entrada: Contribuição de 2 kg de alimento não perecível a serem doados ao Instituto Homem & Natureza
Inscrições e informações: 0800 019 3100 ou pelo e-mail palestras@maua.br

Fonte: Revista Meio Filtrante

Ashare busca padronização de softwares para economizar R$29bi

A Sociedade Americana de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (Ashrae, sigla em inglês) deve concluir até o final de 2010 a padronização de softwares utilizados por arquitetos e engenheiros para melhor planejar a eficiência energética nos imóveis, em uma inciativa que pode economizar US$16 bilhões (R$29 bilhões) por ano em contas de eletricidade, informou a entidade em comunicado.

A entidade deve investir US$1,6 milhão na pesquisa para desenvolver software em código aberto .

"A pesquisa promoverá a inclusão de medidas em eficiência energética no design prévio dos modelos de construção", disse Mark Clayton, pesquisador do projeto.

Segundo Clayton, a padronização dos softwares deve aumentar a qualidade do design e a eficiência energética nas construções.

Estudos mostraram que a falta de sincronia entre as informações de vários sistemas de softwares para design de construção causam mais de U$ 16 bilhões (cerca de R$30bilhões), por ano, em gastos desnecessários, que seriam reduzidos apenas com a padronização.

Fonte: Revista Sustentabilidade

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Ar Condicionado e Alergia

– Pessoas que não apresentam reação alérgica também devem tomar cuidados?

Sim, principalmente no período que se inicia agora, com temperaturas mais baixas e variações da umidade relativa do ar. Mesmo que a pessoa não seja previamente alérgica, a exposição aos elementos causadores de alergias (ácaros, fungos, mofos, poeira de local fechado, bactérias) acaba sensibilizando-a.


– A pessoa torna-se, então, alérgica?

Sim. Por isso, é recomendável evitar locais fechados com grande concentração desses fatores, por tempo prolongado, pois facilita a contaminação. O perigo é dobrado em salas com carpete.

– O ar-condicionado de automóveis também exige cuidados?

O sistema é o mesmo de centrais de refrigeração. Durante a revisão, deve-se fazer também uma limpeza do sistema ou, pelo menos, a cada seis meses.

– Como se faz a limpeza dos aparelhos?

O ideal é chamar um técnico sempre na época de mudança de estações (principalmente verão e inverno, quando são mais utilizados). O técnico vai verificar se o filtro precisa ser limpo ou trocado. Além disso, irá conferir outras peças do aparelho.

– Aquecedores comuns, exigem cuidados especiais?

Todo o aparelho, seja para resfriar ou aquecer, e que contenha um sistema de filtro precisa ser limpo. Quem tem aquecedores também deve manter a manutenção em dia.

– E as roupas, o que fazer com as que passaram meses guardadas no armário?

Depois de ficarem meses no armário, há grandes chances de as roupas serem condutores de mofo e poeira. Por isso, antes de usá-las exponha no sol e em ambiente arejado. Mas o ideal é sempre lavar antes de começar a vesti-las novamente.

– Quanto tempo deve durar o banho no inverno e qual a temperatura da água, para evitar problemas respiratórios?

O recomendado é que a água esteja entre 32°C e 37°C. Depois do banho, é indicado usar secador para quem tem cabelos longos. Nunca saia com a cabeça úmida ou com o corpo ainda quente. Espere alguns minutos para a temperatura se estabilizar.

Fonte: Zero Hora

sábado, 15 de agosto de 2009

Estudo mostra que sujeira é ameaça em 19% dos aparelhos do ar condicionado

Técnicos analisaram poeira retirada de ambientes de 12 mil empresas.
Em 18% dos casos, havia pouca ou nenhuma renovação de ar.
Análise feita em amostras de material retirado de aparelhos de ar condicionado de 12 mil empresas de todo o país constatou que em 19% delas a quantidade de microorganismos nocivos ao ser humano estava acima do recomendado. Em 18% dos ambientes analisados havia um elevado índice de dióxido de carbono - o que significa pouca ou quase nenhuma renovação do ar.

Um robô equipado com microcâmera percorreu os dutos do sistema de ar condicionado de uma grande empresa. E encontrou uma grande quantidade de sujeira pelo caminho. Tufos de poeira foram recolhidos pelo robô e levados para exame.


O ar coletado foi levado para laboratórios onde biólogos usam técnicas especiais para detectar fungos e bactérias que se desenvolvem no ambiente do trabalho e até em casa, por falta de manutenção nos aparelhos de ar condicionado.

"Num ambiente com baixa renovação, se uma pessoa tossir e estiver gripada ou com algum tipo de contaminação, a chance de ela contaminar outra pessoa é maior", afirma Leonardo Cozac, presidente do departamento nacional de qualidade do ar da Associação Brasileira de Ar Condicionado.

Fonte : Globo.com

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Rotâmetros - Medidores de Vazão


Os rotâmetros são utilizados como medidores de vazão de líquidos ou gases. Construídos em materiais plásticos anti-impacto e resistente. Com tubo de medição de policarbonato, graduação escala gravada no tubo de medição (vazão direta ou percentual).


Pode ser utilizado com pressão máxima de 10bar e temperatura máxima de 60º C para conexões em
polipropileno e 100º C para outros materiais. Acessório - alarme de vazão de mínima ou máxima. Já utilei em instalões de Ar Condicionado tipo Chiller para Ressonância Magnética.

Fonte: Applitech

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Gripe Suína se propaga com Ar Condicionado?

Ar condicionado favorece a propagação de vírus influenza?
Depois da polêmica em relação ao álcool em gel como medida de prevenção à gripe A(H1N1), cujo uso é visto com ressalva por especialistas e pela própria Secretaria Estadual de Saúde (SES), o desligamento dos aparelhos de ar condicionado nas salas de aula também tem gerado dúvidas. A pergunta é: de que maneira não usar o ar condicionado ajuda no combate à doença? A infectologista Polyana Monteiro explica que ambientes fechados favorecem a propagação do vírus influenza.


Segundo ela, o ideal é que as salas de aula sejam ambientes arejados, em que haja maior circulação de ar. Para isso, seria necessário desligar o ar condicionado. “Num ambiente com porta e janelas abertas, o ar circula melhor. Num local fechado, o vírus se espalha com maior facilidade”, esclarece a médica, que trabalha no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), em Santo Amaro, no Recife, referência estadual em casos graves da nova gripe. Polyana observa ainda que a limpeza dos filtros do equipamento deve ser feita na periodicidade normal.

Acredito que já passou da hora de discutir este assunto com os profissionais da área e estudar soluções viáveis imediatamente.

Fonte: jc.uol.com.br

Outros artigos neste site:
Gripe Suína x Ar Condicionado

Vírus Influenza e Ar Condicionado

Outras matérias na mídia:
A gripe suína e os ônibus com ar condicionado - oglobo
Gripe A: é importante ter cuidado com os locais fechados - opovo
A gripe suína e os transportes públicos - oglobo
Colégios se preparam para conter "gripe suína" - Ultimo segundo
Professores temem gripe suína na volta às aulas no Rio - Terra
Filtros reforçam isolamento contra gripe suína - campogrande.news

Seminário mostra oportunidades de negócios entre Brasil e China

No evento, promovido pela FIESC nesta segunda-feira (10), também é realizado o lançamento da missão empresarial brasileira à ChinaA Federação das Indústrias (FIESC) promovendo o seminário "oportunidades de negócios entre Brasil e China". No evento, é realizado o lançamento da missão empresarial brasileira à China, que embarcará em outubro à Canton Fair, evento multissetorial realizado em Guangzhou, pólo industrial ao Sul do país asiático.


O seminário se iniciado às 13h30min, na FIESC, em Florianópolis, e tem a participação do diretor da China Trade Center, Wang Chun Lei, que aborda aspectos políticos e econômicos da China, durante palestra. A entidade é autorizada pelo Ministério de Comércio do país asiático para promover intercâmbios comerciais. Também serão realizados painéis sobre a Canton Fair e a programação da missão brasileira.

Em 2008, as exportações catarinenses ao país asiático somaram US$ 177,1 milhões. Entre os produtos vendidos estão grãos de soja, óleo de soja, motocompressores herméticos, partes de motores e geradores, fumo e motores elétricos. A pauta de importações catarinenses fechou 2008 em US$ 1,6 bilhão. Entre os produtos importados da China estão pneus para ônibus e caminhões, aparelhos de ar-condicionado, câmeras de vídeo e máquinas para costurar.

Esta é a sexta missão da FIESC ao país e a terceira em que a entidade catarinense coordena um grupo de empresários de todo o Brasil. Mais informações pelo telefone (48) 3231-4663 ou pelo e-mail cin@fiescnet.com.br .

Ecologicamente correta, Casa-Contêiner chega ao Brasil


Projetada pela arquiteta Livia Ferraro, a Casa-Contêiner não só apresenta soluções para espaços pequenos como também oferece propostas sustentáveis para o meio ambiente, a começar pela própria estrutura. O contêiner marítimo que serve como base para a casa foi construído há 11 anos com estrutura mais pesada que o alumínio.

O projeto foi desenvolvido em parceria com o Laboratório de Eficiência Energética da UFSC. A energia necessária para o módulo é gerada por painéis fotovoltaicos, ou seja, é a luz do sol que garante a eletricidade da casa. Além disso, está prevista a captação de água da chuva. A ideia é que a casa seja autônoma.

Num espaço de 6 metros por 2,5 metros, há banheiro com closet e uma sala-quarto que também serve de cozinha, com um pequeno micro-ondas e um frigobar. O vaso e o chuveiro são separados com portas de vidro. Tudo foi pensado para aproveitar melhor o espaço, com mesas e bancos embutidos e um sofá-cama. As paredes da casa podem ser abertas e, como num brinquedo Lego, tudo pode ser desmontado e encaixado.
Mesmo pequena, a casa é confortável e prática, com espaço para livros, plantas e mimos que dão um toque de personalidade.


Na parte externa, o revestimento termoacústico evita que a chapa do container esquente. Por dentro, foi usada a lã de vidro, um isolante térmico e acústico para manter a temperatura agradável e evitar o uso do ar-condicionado. As paredes são de gesso acartonado.

No piso, a arquiteta sugere o compensado naval original, desde que lixado e com verniz. O acabamento fica com uma aparência mais rústica e é uma solução mais econômica. Para a mostra, foi usado um PVC que parece madeira. A ideia de reaproveitar containeres para transformá-los numa casa – ou qualquer outra criação arquitetônica – é tendência no exterior, mas ainda engatinha no Brasil. A arquiteta explica que aqui existe uma carência no que se refere à mecanização e pré-fabricação na construção.

Fonte: clicrbs.com.br

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Mosta FIESP/CIESP Responsabilidade Socioambiental

Acontece de 25 a 29 de agosto de 2009 das 8h30 às 18h em São Paulo - Avenida Paulista n° 1313 Mosta FIESP/CIESP Responsabilidade Socioambiental

Mesa Redonda:
"A Revolução Industrial, Econômica, Ambiental, Social e Política no Pós-crise Mundial"


Talk Show:
Fundo Amazônia e a Conexão com o Desenvolvimento Sustentável

Mesa Redonda:
Microcrédito Seletivo para Negócios Sustentáveis

Mais informações: http://www.fiesp.com.br/socioambiental/congressoNovaEconomia.asp


Inscrições: https://apps.fiesp.com.br/sce/InscricaoEventos/index.asp?codigo=740

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Telhado branco pode reduzir o aquecimento global e economizar energia

Ao voltar para sua casa em estilo rural em Sacramento, depois de um longo dia de trabalho no verão, Jon e Kim Waldrep costumavam ser recebidos por uma verdadeira muralha de calor. "Chegávamos em casa, no verão, e a temperatura estava em mais de 45 graus; era sufocante", diz Waldrep, que trabalha como gerente regional de uma empresa de alcance nacional. Ele e a mulher corriam para o ar condicionado e o ligavam, e os quatro filhos do casal, que chegavam com eles das creches, tinham de esperar alguns minutos por alívio.

Mas tudo isso mudou no mês passado. "Agora, chegamos em casa em dias em que a temperatura externa é de mais de 38 graus e, do lado de dentro, encontramos temperatura de 26 graus", diz Waldrep.


A solução que eles encontraram foi um novo telhado: uma cobertura de plástico branco brilhante que, segundo os especialistas, não só economiza energia mas pode ajudar a reduzir o aquecimento global. Aproveitando o secular princípio de que objetos brancos absorvem menos calor que os escuros, proprietários de imóveis como a família Waldrep se posicionaram na vanguarda de um movimento que adotou os "telhados frios" como uma das armas de custo mais acessível contra as mudanças no clima.

Estudos demonstram que a presença de telhados claros reduz os custos de ar condicionado em 20% ou mais nos dias ensolarados. O consumo de energia mais baixo que isso propicia significa redução nas emissões de dióxido de carbono que contribuem para o aquecimento global.

Além disso, um telhado branco pode custar apenas 15% a mais do que as versões escuras, a depender dos materiais utilizados, e ao mesmo tempo permitir uma redução nas contas de eletricidade. O secretário da Energia dos Estados Unidos, Steve Chu, ganhador de um prêmio Nobel de Física, vem difundindo o uso de telhados claros, no país e no exterior. "Telhados brancos", foi o conselho que ele deu à audiência televisiva do programa Daily Show, da Comedy Central, na semana passada.

O cientista Chu diz que seu heroi é Art Rosenfeld, um membro da Comissão Estadual de Energia da Califórnia que está em campanha pelos telhados brancos desde os anos 80, e o argumento de Rosenfeld é o de que se todos os telhados do mundo fossem claros, isso poderia representar uma redução do equivalente a 24 bilhões de toneladas em emissões de dióxidos de carbono, nos próximos 20 anos.

"Isso equivale às emissões de todo o mundo no ano passado", diz Rosenfeld. "Ou seja, em certo sentido significaria desligar o mundo durante um ano". Este mês, a casa de três dormitórios dos Waldrop está consumindo 10% menos energia do que fez no mesmo período em 2008. (A família poderia economizar ainda mais caso mantivesse o sistema central de ar em funcionamento enquanto está fora de casa.)

De Dubai a Nova Delhi e Osaka, no Japão, os telhados reflexivos vêm sendo promovidos pelas autoridades locais cuja prioridade é reduzir custos de energia. Nos Estados Unidos, eles se tornaram equipamento padronizado já há uma década, nas lojas novas da cadeia Wal-Mart. Mais de 75% das 4.268 lojas que o grupo opera nos Estados Unidos estão equipadas com eles.

Califórnia, Flórida e Geórgia adoraram códigos de edificações que encorajam a instalação de telhados brancos em edifícios comerciais. Aproveitando recursos dos fundos federais de estímulo a projetos que promovem eficiência energética, departamentos estaduais de energia e empresas locais de eletricidade muitas vezes oferecem financiamento aos interessados em adquirir telhados frios. Esses telhados também podem qualificar os proprietários de imóveis que os utilizem para créditos tributários, caso os materiais empregados constem da lista de produtos aprovados pelo programa Energy Star, da Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos.

Mas o ardor dos proponentes dos telhados claros gerou reações adversas. Alguns arquitetos e especialistas em telhados argumentam que os proponentes ignoram as diferenças de clima ou as dificuldades inerentes à construção de telhados. Nos climas mais frios, dizem, telhados reflexivos podem significar custos mais altos de aquecimento, no inverno. Os cientistas reconhecem que os custos adicionais de aquecimento podem mais que compensar a economia com o ar condicionado, em cidades como Detroit ou Minneapolis.

Mas, para a maioria dos tipos de construção, afirmam, os telhados claros oferecem significativos benefícios líquidos, em regiões tão setentrionais quanto as cidades de Nova York ou Chicago. Ainda que os invernos nas duas sejam gélidos, no calor elas se tornam ilhas de calor devido aos milhares de metros quadrados de telhados que servem para absorver energia.

A física dos telhados claros é simples: o sol propicia tanto energia quanto calor, e o calor do sol é absorvido com facilidade por cores escuras. (Em um dia de verão, os telhados cobertos de piche usados em Nova York podem atingir temperatura de mais de 80 graus.) Já as cores mais claras refletem porção considerável dessa radiação, o que ajuda a manter edifícios - e, em termos mais amplos, cidades e o planeta- mais frios. E eles também re-emitem parte do calor absorvido.

Ao contrário das soluções de alta tecnologia para reduzir o uso de emergia, como iluminação por LEDs, os telhados brancos têm uma história longa e humilde. Casas em climas quentes costumam ser caiadas de branco há séculos.

Antes do surgimento dos sistemas de ar condicionado central, na metade do século 20, casas brancas ou claras, com telhados de material reflexivo, costumavam ser a norma no sul da Flórida, por exemplo. Mas então o ar condicionado central surgiu, acompanhado por telhados escuros que incluíam elementos como asfalto, piche e betume. Materiais como esses absorvem até 90% da energia calórica do sol - o que pode ser útil na Nova Inglaterra mas tem menos aplicação no Texas. Já um telhado branco pode absorver apenas 10% a 15% do calor recebido.

Agora, construtores de telhados em todo o território dos Estados Unidos estão na corrida para desenvolver produtos que lhes permitam lucrar com a expansão do movimento dos telhados planos dos shopping centers aos telhados inclinados das casas de subúrbio.

Anos de pesquisas detalhadas pelos cientistas do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley resultaram em um arco-íris de cores para os construtores de telhados, na forma de uma tabela que demonstra a capacidade de reflexão e re-emissão de cada matiz.

Hashem Akbari, colega de Rosenfeld no laboratório Lawrence Berkeley, diz que não sabe quanto tempo vai demorar para que os telhados claros conquistem o país. Mas ele aponta que um telhado, quer recoberto por telhas ou por um revestimento asfáltico, costuma durar entre 20 e 25 anos. Caso os cerca de 5% dos telhados que são substituídos a cada ano receberem cores mais claras, ele diz, a transformação no país estaria concluída em duas décadas.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3901106-EI8278,00-Cientistas+telhado+branco+pode+reduzir+o+aquecimento+global.html

terça-feira, 28 de julho de 2009

Seminário discute políticas nacionais para redução das emissões de carbono

Ed Miliband, ministro de Energia e Mudança Climática do Reino Unido, será o expositor do seminário "Clima e Desenvolvimento: a Caminho de Copenhague", que acontece no dia 5 de agosto de 2009, das 10 às 12h, no Auditório Francisco Romeu Landi, na Escola Politécnica da USP.


Os debatedores serão o professor José Goldemberg, do Instituto de Energia e Eletrotécnica da USP, e Luiz Fernando Furlan, presidente da Fundação Amazônia Sustentável. A coordenação caberá ao professor Jacques Marcovitch, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP.

Os objetivos do encontro são: analisar os resultados recém-divulgados das pesquisas sobre mudanças climáticas globais; avaliar as políticas nacionais de transição para uma economia livre de emissões de gases de efeito estufa; discutir as negociações multilaterais que resultarão — na Conferência de Copenhague, Dinamarca, em dezembro — em acordos internacionais relativos à Convenção do Clima e ao regime pós-2012.
O seminário é uma iniciativa conjunta do IEA, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Escola Politécnica e Instituto de Relações Internacionais, com apoio da Embaixada do Reino Unido, cujo governo divulgou este mês o documento "The UK Low Carbon Transition Plan — National Strategy for Climate and Energy"

Os interessados em assistir ao evento devem se inscrever por meio de formulário na página http://www.iea.usp.br/iea/inscricao/form1.html. O seminário será em inglês, com tradução simultânea.

O Auditório Francisco Romeu Landi fica no Edifício Mário Covas Jr. da Escola Politécnica, Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa 3, 380, Cidade Universitária, São Paulo.

domingo, 26 de julho de 2009

Ar condicionado - Como funciona?

O equipamento ar condicionado utiliza um material chamado de "fluido de trabalho" (Fluido Refrigerante - popularmente chamado de gás) para transferir energia (calor) de dentro de um quarto ou ambiente (onde está instalado) para o exterior. O fluido de trabalho é um material que se transforma facilmente do estado gasoso para o estado líquido e vice-versa, de acordo com as mudanças de pressão e temperatura. O fluido de trabalho se move através do equipamento de ar condicionado em três componentes principais, o compressor, o condensador, e o evaporador em um ciclo contínuo.

O gás em estado líquido entra no evaporador, (componente do equipamento onde sai o ar frio), dentro do ambiente, como um fluido sob baixa pressão, a uma temperatura aproximadamente a temperatura externa. (1). O fluído imediatamente começa a evaporar e expandir e passa para o estado gasoso. Ao fazer isso, ele usa a energia térmica do ambiente para separar suas moléculas umas das outras, e torna-se extremamente frio. Quando o gás no estado líquido evapora ele absorve calor do ambiente. Portanto, o calor flui do ambiente para este gás. O fluido refrigerante em estado gasoso deixa o evaporador como um gás sob baixa pressão com temperatura um pouco menor do que a temperatura do quarto e vai para o compressor. (2) Ele entra no compressor como um gás sob baixa pressão aproximadamente com a temperatura do quarto. O compressor pressiona as moléculas do gás para mais perto uma das outras, comprimindo-as, aumentando a pressão e densidade do gás. Como a compressão envolve trabalho, e o que se comprime se aquece, o compressor transfere energia para o fluido refrigerante e este fica mais quente. Em seguida, o fluido refrigerante que foi comprimido, deixa o compressor sob uma alta pressão bem acima da temperatura do ar externo do ambiente. (3) O fluido refrigerante entra no condensador, (componente do equipamento que fica localizado do lado externo), que é praticamente. Como o fluido é mais quente do que o ar externo, o calor flui do fluido para o ar. Aqui acontece mais uma troca de calor, o fluído refrigerante, comprimido e quente, perde calor para o ar externo que está bem mais frio que o fluído refrigerante. O fluido começa então a condensar, perdendo energia térmica a medida em que ele condensa, passando do estado gasoso para o estado líquido. Esta energia térmica do fluído é desprezada para o ambiente externo (4). O fluido entra através de um tubo estreito (chamado de tubo capilar) no evaporador. Ao fazer isso, o fluído refrigerante se expande, sua pressão diminui, e ele entra no evaporador como um fluido sob baixa pressão. assim, o ciclo se repete. Resumindo, o calor é extraído do ambiente interno e jogado para a área externa. O compressor consome energia elétrica durante o processo e esta energia também se transforma em energia térmica no ar do lado externo. 

Gostou deste artigo? Então considere assinar grátis nosso Rss Feed e receba todas as atualizações do SAC diretamente em seu e-mail.
Siga e envie aos seus amigos via Twitter e Facebbok.

sábado, 25 de julho de 2009

Resfriamento global: 2008 foi o ano mais frio do século

Especialistas em clima do Instituto de Estudos Espaciais Goddard da Nasa (Giss) revelaram que 2008 foi o ano mais frio no planeta desde 2000. Segundo a Organização Meteorológica Mundial (WMO), a temperatura média global no ano passado foi de 14,3 graus centígrados.

Aquecimento global
Essa média, entretanto, continua alta em comparação com as temperaturas de décadas anteriores. Os dez anos mais quentes já registrados desde a primeira medição global de temperaturas, em 1880, estavam entre 1997 e 2008 - anos em que esquentou também a discussão sobre o papel da atividade humana no aquecimento global.


Por isso, apesar de ter sido o ano mais frio dos últimos oito anos, 2008 foi o 9º ano mais quente entre os últimos 128 anos. A análise do Giss revelou que a temperatura do ar em 2008 foi 0,44 graus centígrados acima da temperatura média global do período entre 1951 e 1980 - usado como base no estudo.

Representatividade dos dados
Os cientistas afirmam que a diferença de temperatura de um ano para outro pode não ser muito representativa. "O ranking tem significado científico em alguns casos, tais como quando um novo recorde é estabelecido", disse o diretor do instituto, James Hansen. "Mas o ranking também pode ser enganoso porque a diferença em temperatura entre um ano e outro costuma ser menor do que as flutuações da média global."

Segundo os especialistas da Nasa, a média da temperatura em 2008 no mundo foi mais fria em relação aos anteriores graças à ação do fenômeno La Niña no Oceano Pacífico.
A maior parte do planeta, no entanto, registrou temperatura normal ou mais quente do que o de costume em 2008. A Europa, a Ásia, o Ártico e a Península Antártica tiveram temperatura excepcionalmente mais quente, enquanto boa parte do Oceano Pacífico teve temperatura mais baixa do que a média no longo prazo.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=resfriamento-global--2008-foi-o-ano-mais-frio-do-seculo&id=010125090225

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Telefônica: erro primário do ar condicionado no incêndio do data center

Os executivos da Telefônica já admitiram que falharam, apesar de não detalharem exatamente em quais procedimentos. Durante o mergulho ao mundo da empresa nas últimas semanas, para compor a matéria O apagão da Telefônica, publicada na revista Exame, apuramos várias histórias sobre os problemas que, juntos, causaram a maior pane de internet do país. Uma das histórias mais saborosas é a seguinte:


Em abril deste ano houve um princípio de incêndio no data center de Alphaville, na Grande São Paulo. O projeto simplesmente contrariou uma recomendação internacional: os tubos de ar condicionado que resfriam o ambiente devem ser todos independentes, sem interligação entre as diversas salas. Esse deslize, se é que um erro desse tipo pode ser chamado assim, deu proporções enormes a um problema que poderia ter sido resolvido rapidamente.

Quando um incêndio começou na sala de baterias, rapidamente a fumaça se alastrou por outras partes do prédio e não foi possível detectar onde estava o foco do problema - já que o mesmo duto de ar alimentava mais de uma sala.

Fonte: http://portalexame.abril.com.br/blogs/zeroseuns/20090715_listar_dia.shtml?permalink=181401

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Recife recebe centro de tratamento do gás CFC


Gás clorofluorcarbono, utilizado em antigos aparelhos de geladeiras e ar-condicionado, é o principal causador da destruição da camada de ozônio e do efeito estufa.


O Recife ganhou o primeiro Centro do Nordeste para Tratamento e Reciclagem do Gás CFC (gás clorofluorcarbono), utilizado em antigos aparelhos de ar-condicionado e geladeiras. O gás destrói a camada de ozônio da terra, provocando o chamado efeito estufa. Atualmente os aparelhos novos não usam mais esse gás. O centro começou a funcionar na avenida Recife, no bairro do Ipsep.

"Esta regeneração propicia a recuperar este gás que causa o dano ao meio ambiente, na camada de ozônio. Então recuperando esse gás que vem para o centro, ele é purificado e volta a ter uma qualidade de gás virgem", explicou a consultora Ministério do Meio Ambiente, Lia Márcia Hora Fonseca.

O Governo Federal vai comprar os cilindros de CFC usados, regenerar e vender o gás por um valor abaixo do preço do mercado. De acordo com o Sindicato das Empresas de Refrigeração, isso pode representar uma economia de R$ 3 milhões por ano. Antes o gás era importado, não havia o reaproveitamento em Pernambuco.

O presidente do Sindicato de Indústrias de Refrigeração de Pernambuco, José Carlos Araújo, explicou que as empresas que se tornarem parceiras do Centro Nordeste para Tratamento e Reciclagem do Gás CFC serão beneficiadas. "As empresas recolham o gás, tragam para os pontos de coleta, que vão encaminhar para o centro, e o centro vai revender esse gás a um preço abaixo do de mercado para estimular que as empresas tragam o gás para a regeneração”, explicou.

“Em um primeiro momento só quem vai ter acesso a compra desse gás regenerado são as empresas que estão participando do ciclo e trazendo esse gás para regenerar. De forma que possa realimentar o sistema, tornando esse clico operante", disse José Carlos Araújo.

De acordo com o diretor do Centro de Regeneração, Oséas Omena, o tratamento vai causar uma mudança positiva significativa para o meio ambiente. "Tomando como base o nosso processamento de uma tonelada/dia, então 365 mil quilos deixarão de poluir a camada de ozônio e provocar o efeito estufa", disse.

Fonte: http://pe360graus.globo.com/noticias/cidades/meio-ambiente/2009/07/16/NWS,494506,4,77,NOTICIAS,766-RECIFE-RECEBE-CENTRO-TRATAMENTO-GAS-CFC.aspx

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Plante uma árvore ao lado de sua casa e economize energia


Que cultivar árvores faz bem ao meio ambiente, todas as crianças já sabem. Mas que elas podem ajudar a diminuir a conta de luz no fim do mês já não é tão óbvio.


Pesquisadores norte-americanos descobriram que as árvores plantadas ao lado das residências podem diminuir o consumo de energia em 5%, desde que elas sejam plantadas na posição correta. Para o melhor benefício, as árvores devem ficar posicionadas para oferecer sombra nos lados oeste e sul das residências.

Custo de carbono
A pesquisa envolveu o acompanhamento de 460 residências na cidade de Sacramento, durante o verão. Estatísticas precisamente coletadas demonstraram que os ganhos vão além da diminuição da conta de luz: o "custo de carbono" também é diminuído com o cultivo das árvores.

"As pessoas já sabem há muito tempo que as árvores têm múltiplos efeitos para as pessoas, mas nós quantificamos esses benefícios pela primeira vez usando dados reais e colocamos valores nesses efeitos," justifica o pesquisador David Butry, do instituto NIST.

Segundo o estudo, árvores plantadas nos lados oeste e sul diminuem a conta de eletricidade em até 5%. Se elas estiverem no lado leste não há qualquer efeito mas, se as árvores forem plantadas no lado norte, elas podem de fato aumentar a conta de energia.

Sequestro de carbono
"Além de fornecer sombra, as árvores sequestram carbono," diz Butry. "Nós medimos o quanto essas árvores reduziram o carbono criado pela queima de combustíveis para produzir a eletricidade e descobrimos que as árvores também sequestraram uma quantidade equivalente de carbono, o que representa um benefício em dobro."
A pesquisa chamou a atenção de empresas de energia da Coreia do Sul e da África do Sul, que contataram os pesquisadores para que o estudo seja expandido para outras regiões e para outras estações do ano, a fim de que as conclusões possam ser mais gerais.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=plante-uma-arvore-ao-lado-de-casa-e-economize-energia&id=010125090527

terça-feira, 21 de julho de 2009

Ar condicionado saudável - Parte 3

Leia artigos "Ar condicionado saudável - Parte 1 e 2"

Para que o aparelho de ar condicionado cumpra sua finalidade sem problemas, é importante não só que ele esteja regulado, mas que as condições do local sejam adequadas. Água acumulada nos vasos, poeira de carpetes, excesso de papel nas lixeiras, paredes recém-pintadas e produtos de limpeza podem liberar substâncias alérgicas que vão circular pelo sistema de tubulação. Para ter uma ideia, o cigarro, sozinho, libera 6.700 elementos tóxicos e rapidamente torna o ambiente coletivo insalubre, de acordo com a OMS. Os filtros do aparelho de ar condicionado não dão conta de barrá-los. Nos sistemas de ar condicionado das empresas, por exemplo, o que circula a cada momento é uma combinação de 90% de ar interno e 10% de ar externo. Se a proporção de ar de fora aumenta, melhor para a saúde.


A recomendação da Anvisa é que os usuários se manifestem sempre que perceberem algo estranho no ar: odores, acessos de espirros ou ressecamento da garganta ou do nariz. “Chame o gerente e faça sua queixa”, diz o médico alergologista Gustavo Graudenz, especialista em qualidade do ar.

Com o aparelho doméstico de janela, os cuidados são ainda mais simples. A dica essencial dos especialistas é relacionar a potência ao tamanho do ambiente que se deseja resfriar. Há uma fórmula matemática que relaciona a área com a potência do aparelho. Mais ainda, é importante manter uma fresta de janela ou porta entreaberta sempre. Os aparelhos domésticos raramente renovam o ar. Saiba quais são os principais problemas do ar climatizado e como se livrar deles na ilustração abaixo.

Onde se respira pior?
(Clique na imagem abaixo para ampliar)


O efeito dos gases no organismo
(Clique na imagem abaixo para ampliar)

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI83072-15201-2,00-AR+CONDICIONADO+PODE+SER+SAUDAVEL.html

Ar condicionado saudável - Parte 2

Leia artigo "Ar condicionado saudável - Parte 1"

Já existem trabalhos científicos que relacionam doenças ao mau uso do aparelho de ar condicionado. O primeiro caso registrado acometeu 123 hóspedes de um hotel da Filadélfia, nos Estados Unidos, em 1976. Eles foram hospitalizados depois de ser infectados por uma bactéria chamada Legionella pneumophila, encontrada em torres de água refrigerada sem manutenção. Boa parte dos contaminados tinha mais de 60 anos e 29 deles morreram.


Onde se respira melhor? (Clique na imagem abaixo para ampliar)


Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI83072-15201-2,00-AR+CONDICIONADO+PODE+SER+SAUDAVEL.html

Ar condicionado saudável - Parte 1

Se você trabalha em escritório, frequenta shoppings e faz compras em supermercados, deve passar pelo menos 50% de sua vida em ambientes climatizados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse porcentual deverá aumentar para 65% nos próximos dez anos com os efeitos do aquecimento global.

A temperatura amena aumenta a produtividade no trabalho e estimula o consumo da população. Também pode ajudar a preservar a saúde de quem está fragilizado. O aparelho de ar condicionado se tornou, nos últimos tempos, um aliado da medicina. Os mais modernos monitoram a quantidade de fungos e bactérias. Nos hospitais, aceleram em 20% a recuperação de pacientes queimados e já são recomendados a idosos e crianças em dias com variação extrema de temperatura. Com tantas aplicações importantes, por que o sistema de ar condicionado se tornou, para tanta gente, um dos vilões da vida saudável?

Boa parte das pessoas que convivem em ambientes climatizados reclama da qualidade do ar. Elas se queixam principalmente de coceira nos olhos, dor de cabeça e ressecamento das vias respiratórias. Um estudo da Universidade de Michigan revelou outros 47 sintomas supostamente associados ao mau funcionamento do sistema de refrigeração. As reclamações têm fundamento?


Mais da metade dos sistemas de ar condicionado do país não funciona segundo as normas internacionais. Os ambientes são mais secos e poluídos do que recomenda a OMS. Uma pesquisa feita pela Nalco, multinacional que trabalha com qualidade de ar de interiores, mostra que no topo do ranking de insalubridade estão os bancos, seguidos pelos hospitais e escritórios. A empresa avaliou quase 18 mil estabelecimentos coletivos com sistema de ar condicionado no país.

A situação que a pesquisa constata está longe de ser revertida. Na última década foram estabelecidas leis para limitar a quantidade de gases, umidade e demais poluentes em ambientes climatizados. Nem a ameaça de multas – que podem chegar a R$ 200 mil – criou o hábito de investir em manutenção. “As pessoas raramente verificam a condição das peças”, diz o engenheiro Eduardo Dantas, da Nalco.

A falta de cuidados fica ainda mais evidente no inverno. Isso acontece porque os sistemas centrais são programados para ligar apenas quando a temperatura está abaixo da média considerada padrão: entre 21 e 23 graus. Assim, o ar passa parte do tempo desligado e as janelas lacradas enquanto as pessoas respiram e exalam gás carbônico. A quantidade de CO2, fungos, bactérias e partículas sólidas atinge níveis perigosos. Os efeitos no organismo podem ir além das reações alérgicas (como mostra a ilustração abaixo), principalmente para quem já tem predisposição a alergias ou está com a imunidade baixa.

Respire bem em casa - Como comprar, instalar e fazer a manutenção de um sistema doméstico (Clique na imagem abaixo para ampliar)


Leia os artigos "Ar condicionado saudável - Parte 2" e "Ar condicionado saudável - Parte 3"

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI83072-15201,00-AR+CONDICIONADO+PODE+SER+SAUDAVEL.html

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Limpeza de Dutos Sua Marca Aqui Sua Marca Aqui Sua Marca Aqui Sua Marca Aqui Sua Marca Aqui

COMPARTILHE E FAVORITO

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More